Kaspersky Lab alerta para as redes sociais como os “parquinhos” mais perigosos para as crianças

Nos cinco primeiros meses de 2013, a ferramenta de Controle dos Pais da Kaspersky Lab registrou mais de 52 milhões de tentativas de visitas a redes sociais e mais de 25 milhões de tentativas de acesso a sites pornográficos. Lojas online compõem o terceiro destino com maior tentativa de acessos entre as categorias de sites bloqueados.

Os lares de hoje contam com vários dispositivos de acesso à Internet e é cada vez mais fácil para crianças navegarem pela internet. De acordo com uma pesquisa realizada em abril de 2013 pela B2B Internacional a pedido da Kaspersky Lab, uma família possui em média dois ou três PCs ou laptops (2,5 dispositivos é a média mundial), um ou dois smartphones (1,4 em média) e um tablet (0,7 em média).
Para gerenciar os riscos do aumento da presença das crianças no mundo online, a Kaspersky Lab oferece diversos tipos de Controles dos Pais em seus produtos. As estatísticas globais geradas por essa tecnologia da Kaspersky Lab entre janeiro e maio desse ano apontaram que os recursos potencialmente perigosos mais atraentes para as crianças na Internet são:

  • Redes sociais (31,26%)
  • Sites pornográficos e eróticos (16,83%)
  • Lojas Online (16,65%)
  • Bate-papo e fóruns (8,09%)
  • Webmail (7,39%),
  • software ilegal (3,77%)
  • Jogos casuais (3,19%)

Outros recursos inadequados, como sites sobre armas ou drogas, jogos de azar e sistemas de pagamento eletrônico, representaram entre 0,8 e 2% das pesquisas realizadas na web que foram monitoradas pelo Controle Parental da Kaspersky Lab.

Além disso, os dados mostraram que as preferências das crianças podem variar de país para país. No Brasil os resultados foram os mais similares às tendências mundiais globais: redes sociais (22,34%), sites pornogáficos (18,91%) e lojas online (16,76%). Curiosamente, a situação no Japão não tem nada em comum com outros países. A geração mais jovem deste país tende a olhar principalmente para sites na categoria “chats e fóruns” (34,25%) sobre todas as outras. Já os Estados Unidos, a categoria “Pornografia” lidera com 22,02%; lojas virtuais estão em segundo lugar, com 19,50%, seguido por redes sociais com 18,88%.

Para acessar a versão completa do artigo “O que são crianças fazendo online?”, visite o securelist.com

Comparte